https://www.youtube.com/watch?v=opqfdbFZV10e vídeo

Loading...

sexta-feira, 19 de junho de 2009


Vivoverso homenageia mais uma vez
e sempre
Chico Buarque de Hollanda
no dia em que completa 65
– belíssimos e poéticos –
anos de vida.”

15 comentários:

  1. "Mesmo que você feche os ouvidos
    E as janelas do vestido
    Minha musa vai cair em tentação
    Mesmo porque estou falando grego
    com sua imaginação
    Mesmo que você fuja de mim
    por labirintos e alçapões
    Saiba que os poetas como os cegos
    podem ver na escuridão
    E eis que, menos sábios do que antes
    Os seus lábios ofegantes
    hão de se entregar assim
    Me leve até o fim
    Me leve até o fim!"

    ResponderExcluir
  2. A novidade que tem no Brejo da Cruz
    é a crinçada se alimentar de luz.
    Alucinados, meninos ficando azuis
    e desencarnando,
    lá no Brejo da Cruz.

    Creio que com esses versos nosso GRANDE poeta produz uma das formas mais profundas de que tenho notícia de descrever a FOME que assola as crianças em nosso país.

    ResponderExcluir
  3. Não se afobe não, que nada é pra já
    O amor não tem pressa, ele pode esperar em silêncio
    Num fundo de armário, na posta-restante
    Milênios, milênios no ar
    E quem sabe, então o Rio será alguma cidade submersa
    Os escafandristas virão explorar sua casa
    Seu quarto, suas coisas, sua alma, desvãos
    Sábios em vão tentarão decifrar
    O eco de antigas palavras
    Fragmentos de cartas, poemas
    Mentiras, retratos
    Vestígios de estranha civilização
    Não se afobe, não, que nada é pra já
    Amores serão sempre amáveis
    Futuros amantes, quiçá
    Se amarão sem saber
    Com o amor que eu um dia
    Deixei pra você

    (Sergio e Marta Salomon)

    ResponderExcluir
  4. De..."apesar de você amanhã há de ser outro dia/você vai ter que ver a manhã renascer/
    e esbanjar poesia" dos meus 14 anos -impacto que se repete até hoje- (e olha que são alguns muitos anos à frente...),
    à profunda empatia em "eu quero te contar/das chuvas que apanhei/das noites que varei/no escuro a te buscar/Eu quero te mostrar/ as marcas que ganhei/nas lutas contra o rei/nas discussões com Deus..." chego à poesia pungente do romance Leite derramado...
    " até o fim eu deixei todas as portas abertas para ela" (p. 47)..."Era como se a cada passo eu me rasgasse um pouco, porque minha pele tinha ficado presa naquela mulher"(p. 56)

    Evoè , Chico!Por favor...mais sessenta e cinco!

    ResponderExcluir
  5. De tempos em tempos as canções do Chico Buarque nos leem de um jeito. Sem dúvida são canções atemporais. Selecionei quatro pequenos trechos que me parecem reveladores, ousados, verborrágicos. Esse jeito que o Chico tem de nos revirar as entranhas...

    "Mirem-se no exemplo daquelas mulheres de atenas...quando ele voltam sedentos/querem arrancar violentos/carícias plenas, obcenas"

    "eu sou sua fêmea, seu divã...sou igual a você eu não presto/eu não presto"

    "Chega estampado/manchete,retrato/com vendas nos velhos/legendas e as iniciais...Desde o começo eu não disse/ seu moço/ele disse que chegava lá..."

    "vai alegria/que a vida Maria/não passa de um dia..."

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. "Leva o vulto teu
    Que a saudade é o revés de um parto
    A saudade é arrumar o quarto
    Do filho que já morreu"

    em Pedaço de Mim


    optei por esses versos por acreditar ser a definição mais perfeita e real do que é SAUDADE e perda...

    ResponderExcluir
  8. Bárbara
    Chico Buarque
    Composição: Chico Buarque - Ruy Guerra

    "Bárbara, Bárbara
    Nunca é tarde, nunca é demais
    Onde estou, onde estás
    Meu amor, vem me buscar

    O meu destino é caminhar assim
    Desesperada e nua
    Sabendo que no fim da noite serei tua
    Deixa eu te proteger do mal, dos medos e da chuva
    Acumulando de prazeres teu leito de viúva"

    ResponderExcluir
  9. Ana de Amsterdam
    Chico Buarque
    Composição: Chico Buarque/Ruy Guerra

    "Sou Ana do dique e das docas
    Da compra, da venda, das trocas de pernas
    Dos braços, das bocas, do lixo, dos bichos, das fichas
    Sou Ana das loucas
    Até amanhã
    Sou Ana
    Da cama, da cana, fulana, sacana
    Sou Ana de Amsterdam

    Eu cruzei um oceano
    Na esperança de casar
    Fiz mil bocas pra Solano
    Fui beijada por Gaspar

    Sou Ana de cabo a tenente
    Sou Ana de toda patente, das Índias
    Sou Ana do oriente, ocidente, acidente, gelada
    Sou Ana, obrigada
    Até amanhã, sou Ana
    Do cabo, do raso, do rabo, dos ratos
    Sou Ana de Amsterdam

    Arrisquei muita braçada
    Na esperança de outro mar
    Hoje sou carta marcada
    Hoje sou jogo de azar

    Sou Ana de vinte minutos
    Sou Ana da brasa dos brutos na coxa
    Que apaga charutos
    Sou Ana dos dentes rangendo
    E dos olhos enxutos
    Até amanhã, sou Ana
    Das marcas, das macas, da vacas, das pratas
    Sou Ana de Amsterdam"

    ResponderExcluir
  10. Msg enviada por Carlos Ruminot , estudioso de MPB, do Chile. "Eu aprecio sua ajuda nesta publicação de poesia de Chico Buarque,
    que é uma das muitas que vêm para o fundo da alma. "

    "Futuros Amantes'

    Não se afobe, não
    Que nada é pra já
    O amor não tem pressa
    Ele pode esperar em silêncio
    Num fundo de armário
    Na posta-restante
    Milênios, milênios
    No ar
    E quem sabe, então
    O Rio será
    Alguma cidade submersa
    Os escafandristas virão
    Explorar sua casa
    Seu quarto, suas coisas
    Sua alma, desvãos
    Sábios em vão
    Tentarão decifrar
    O eco de antigas palavras
    Fragmentos de cartas, poemas
    Mentiras, retratos
    Vestígios de estranha civilização
    Não se afobe, não
    Que nada é pra já
    Amores serão sempre amáveis
    Futuros amantes, quiçá
    Se amarão sem saber
    Com o amor que eu um dia
    Deixei pra você

    ResponderExcluir
  11. Divíduo: divido meu verso em dois.
    Trago a mais bela quadra de minha infância -quando "eu era o herói" e nem sabia:
    "Estava à toa na vida
    o meu amor me chamou
    pra ver abanda passar
    cantando coisas de amor."
    (A BANDA, 1966)
    E levo no meu bolso um único verso de minha terceira margem do rio:
    "O que é que a vida vai fazer de mim?"
    (JOÃO E MARIA, 1977)

    (Fragmentos para ruminar depois que a banda passar cantando coisas de amor e VivoVersoBrasileiro.
    Augusto Rodrigues

    ResponderExcluir
  12. "Quero ficar no seu corpo
    feito tatuagem
    que é pra te dar coragem
    pra seguir viagem
    quando a noite vem"
    Tatuagem

    Simplesmente Lindooo!!!

    Maxçuny

    ResponderExcluir
  13. A MOÇA DO SONHO

    "Há de haver algum lugar
    Um confuso casarão
    Onde os sonhos serão reais
    E a vida não [...]

    Um lugar deve existir
    Uma espécie de bazar
    Onde os sonhos extraviados
    Vão parar
    Entre escadas que fogem dos pés
    E relógios que rodam pra trás
    Se eu pudesse encontrar meu amor
    Não voltava
    Jamais".

    Minha alma se extravia quando ouço esses versos. Sylvia, bonita homenagem! Chico, só ele é assim Buarque!

    ResponderExcluir
  14. "Me conta como ei de partir,

    Se entornaste a nossa sorte pelo chão
    Se na bagunça do teu coração
    Meu sangue errou de veia e se perdeu"

    "Não, acho que estás te fazendo de tonta
    Te dei meus olhos pra tomares conta
    Agora conta como hei de partir".

    ResponderExcluir
  15. Pra tirar o punhal do coração...:

    "No peito a saudade cativa,
    Faz força pro tempo parar,
    Mas eis que chega a roda viva,
    E carrega a saudade pra lá…"

    ResponderExcluir