https://www.youtube.com/watch?v=opqfdbFZV10e vídeo

Loading...

terça-feira, 20 de abril de 2010

Vivoverso homenageia Brasília, a cidade onde nasceu!


"...nada existe como o azul sem manchas
do céu do Planalto Central
e o horizonte imenso aberto
sugerindo mil direções!"
                                          Toninho Horta e Fernando Brant

Nestes 50 anos, desde 1960, muito aconteceu na capital do Brasil. Nem sempre a luz do céu foi vista.... Mas o Grupo Vivoverso se dispõe a trazer mais pra perto o "azul sem manchas" deste céu que merecemos, pelas luzes da poesia.

Queremos continuar a contribuir para compor o "horizonte lírico imenso aberto" de "mil direções".

Registre, então, neste espaço, um texto, seu ou de alguém que goste, sobre a nossa cidade de Brasília!

Vamos homenageá-la juntos!!!

11 comentários:

  1. Filha adotiva de Brasília que sou
    Sou toda gratidão da acolhida
    Queria dizer a você querida
    Ninguém te ama mais do que eu!

    ResponderExcluir
  2. Acabamos de receber, depois da declaração da querida Zildete,a mensage abaixo do poeta e amigo João Carlos Taveira, que reproduzo com alegria!

    "Sylvia,
    Obrigado pelo envio do blog do vivoverso e principalmente pela homenagem aos 50 anos de Brasília. Abaixo transcrevo um poema que fiz para comemorar esta data e que está sendo veiculado na Brasília Super Rádio FM, de hora em hora. Abração, Taveira

    POEMA DA MATURIDADE
    (No cinquentenário da Capital)

    Brasília abre as asas
    sob o céu,
    na imensidão do espaço
    sobre nós.

    Brasília tece uma canção
    de amor,
    na gradação do azul
    de nossa voz.

    Há nessa geometria
    de acalantos
    pequenos sons e arpejos
    simultâneos...

    Há vida após a vida
    em cada traço,
    no refazer do sonho
    que sonhamos.

    ***
    Viva Brasília!

    ResponderExcluir
  3. Sylvia,

    Meus parabéns pelo blog maravilhoso do Vivoverso. Mais ainda pela homenagem a esta "cidade dos deuses" chamada Brasília e pela publicação do meu "Poema da maturidade" em homenagem aos 50 anos de sua inauguração. Obrigado! João Carlos Taveira

    ResponderExcluir
  4. Sílvia, ótima ideia fazer essa homenagem a nossa cidade!

    Não sei fazer poesia, mas sei dizer da alegria de ser de Brasília...de criar nesse espaço a minha história de vida!

    Brasília, capital genial, cidade jardim, cidade céu, cidade sonho, que se faz realidade no coração de cada um de nós.

    Viu como não sei fazer poesia?
    Grande abraço!
    Heloisa Salles

    ResponderExcluir
  5. Vivoverso agradece à querida amiga e Profa.Dra.Heloisa Salles!

    Poesia é tudo que emociona pelas palavras.
    Você fez.

    ***
    Viva Brasília!

    ResponderExcluir
  6. Brasília

    A cidade que me encanta.
    Em cada canto uma imagem.
    Imaginação que cria.
    Criação a cada dia.
    Diáspora que se traduz.
    Tradução que se cala.
    Caleidoscópio do mundo.

    Maxçuny.

    Na verdade escrevi esse texto em 2008, mas é bem atual.

    PARABÉNS BRASÍLIA!!

    ResponderExcluir
  7. ¨De tuas impurezas
    de tuas asperezas,
    rosa queremos-te exata.
    No altiplano de nossas esperanças,
    rosa-dos-homens
    construímos-te futura¨

    (de Anderson Braga Horta)

    ResponderExcluir
  8. “Espero que Brasília seja uma cidade de homens felizes: homens que sintam a vida em toda sua plenitude, em toda sua fragilidade; homens que compreendam o valor das coisas simples e puras, um gesto, uma palavra de afeto e solidariedade”. Oscar Niemeyer
    ***
    Estou há 27 anos em Brasília por opção...
    Obrigada, Niemeyer, eu sou feliz aqui!
    Aos poetas da arquitetura, da palavra, da imagem, da música; aos conhecidos, aos anônimos, a todos que construiram a alma sensível de Brasília minha homenagem!!!

    Sylvia

    ResponderExcluir
  9. Era frio e era claro
    como a seca de Brasília...

    Era reto e projetado
    como as linhas de Brasília...

    Minha canção era loucura
    como a alma de Brasília
    contorna, adoça, põe na boca o fel
    da louca ilha...

    grande OSWALDO MONTENEGRO

    ResponderExcluir
  10. Roxane no fim do inverno

    Ela foi parar no meu quarto
    Encostada na parede... Inerte
    E se ela soubesse como foi difícil trazê-la,
    Conquistá-la e mantê-la
    Só pra poder dizer que ela é todinha minha...
    Nesse clima de deserto,
    ela fica esperando que a leve
    para alguma cachoeira do cerrado,
    Pra embrenhá-la no mato
    Para que a descubra
    Roxane sabe muito bem
    Como precisava dela nesse final de inverno
    No final do meu deserto, para que de certo
    Eu soubesse finalmente traçar sobre meus eixos
    o verbo: confiar.

    Roxane foi uma das minhas bicicletas... A primeira bicicleta que comprei depois que comecei a trabalhar... A referência Roxane veio da canção do grupo inglês The Police. O ano foi 1996, mesmo ano do poema!
    O resto veio de mim mesma...

    ResponderExcluir
  11. Vocês querem os meus preferidos?

    Lá vão:

    "Na escuridão do que sente
    O paralelo do som
    E nas catedrais...

    A inspiração
    Brasília revela
    (...)
    Brasília, só ela!

    A extrema arte,
    Brasília revela
    Na cor de Marte
    Brasília, só ela!" (desculpem-me se a memória embaralhou os versos...rsrsrs)

    "Corujices" à parte, só podiam ser de Felipe Corrêa, meu maridão e, na minha opinião, um dos mais promissores poetas e cancionistas de nossa geração.

    E VIVA O VERSO!!!

    Bjs

    Yara F.

    ResponderExcluir